Emotional Being

Apresentei na Fimma (Feira internacional de máquinas, matérias-primas e acessórios para a indústria moveleira, que aconteceu este mês no Rio Grande do Sul) e na Expo Revestir no começo desde mês em São Paulo uma das tendências de comportamento e projetos mais importantes para a moda e para o design hoje: a Emotional Being.

Ela, por sinal, também está pegando na Arquitetura, como veremos no post sobre a nova loja da Miu Miu em Tóquio. Divulgo aqui as imagens que mostrei nas minhas palestras e que ilustram este conceito.

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.002

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.004

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.005

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.006

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.007

Tendèncias Internacionais influenciam Brasil FIMMA15.008

Compartilhe:

Arquizoológico

Uma girafa que tem como corpo a Torre Eiffel. Um coelho feito das curvas de Niemeyer. Um porco desenhado das linhas futuristas de Rem Koolhass. Estes são os animais que fazem parte do zoo fantástico do arquiteto italiano Federico Babina.

Esta não é a primeira obra de Babina que remete ao assunto, porém. Com suas ricas e irreverentes ilustrações, ele já combinou arquitetura com arte, música e cenários, por exemplo, com resultados sempre assim, lindos.

Nesta mais recente série, ele voltou à infância. “Quando era criança, queria ser arquiteto, e agora que sou arquiteto, gostaria de, às vezes, voltar à minha infância. Nossa mente é capaz de coletar, recordar e guardar milhões de imagens e sempre me interessei pela associação que podemos fazer entre essas imagens”, explica.

Coelho - Oscar Niemeyer

Coelho – Oscar Niemeyer

Ema - Oscar Niemeyer

Ema – Oscar Niemeyer

Girafa - Gustave Eiffel

Girafa – Gustave Eiffel

Leão Marinho - Zaha Hadid

Leão Marinho – Zaha Hadid

Porco - Rem Koolhass

Porco – Rem Koolhass

Rato - Frank Loyd Wright

Rato – Frank Loyd Wright

Sapo - Étienne-Louis Boullée

Sapo – Étienne-Louis Boullée

Tartaruga - Roy Grounds

Tartaruga – Roy Grounds

Touro - Le Corbusier

Touro – Le Corbusier

Tubarão - Jean Nouvel

Tubarão – Jean Nouvel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe:

A espetacular arquitetura do futuro

Passa longe daquele cenário que a gente via no desenho animado Os Jetsons. Ou melhor, não muito. Arranha-céus que rotacionam e pontes de linhas futuristas até lembram os cenários criados pela empresa Hannah-Barbera. Mas parques públicos que valorizam a natureza local, edifícios de madeira e fortes pensados para proteger contra desastres naturais não estavam nem nos sonhos mais distantes de William Hanna e Joseph Barbera.

A verdade é que atualmente existem 14 projetos que, de tão visionários, mostram o que será a arquitetura do amanhã, de acordo com o portal americano Huffington Post. E eles são tão inspiradores que a gente resolveu apresentar para você aqui no Living Design. Acompanhe:

1. Pontes sensacionais

Ponte sobre Rio Dragon King Harbour, na China, da NEXT Architects

Ponte sobre Rio Dragon King Harbour, na China, da NEXT Architects

Por que desenhar pontes comuns ou viadutos quando somos capazes de projetar proezas arquitetônicas como esta? Construída para funcionar como uma passarela de pedestres sobre o Rio Dragon King Harbour, na China, ela é resultado do trabalho da Next Architects. Seu projeto envolve três pistas individuais, retorcidas, pairando sobre a paisagem pitoresca de Changsha.

2. Arranha-céus que giram

Arranha-céu que gira, de David Fisher, do Dynamic Architecture

Arranha-céu que gira, de David Fisher, do Dynamic Architecture

Projetado em 2008 por David Fisher, do Dynamic Architecture, este arranha-céu de 80 andares ainda está no papel (sem data para ser construído), mas tem pavimentos que rotacionam, completando um giro de 360 ​​graus a cada 90 minutos. Se o projeto vingar, será o fim da preferência por um apartamento face-norte.

3. Parques fechados

Zaryadye Park, em Moscou, do Diller Scofidio + Renfro

Zaryadye Park, em Moscou, do Diller Scofidio + Renfro

O Zaryadye Park será o primeiro parque público de Moscou a ser construído em mais de 50 anos. A obra é do escritório Diller Scofidio + Renfro (em colaboração com Hargreaves Associates e Citymakers), que propôs este projeto baseado em uma teoria de “Urbanismo Selvagem”, que nada mais é que o conceito de uma paisagem híbrida, onde o natural e o construído coabitam. Na prática, isto significa que o parque contará com quatro tipos de paisagem – tundra, estepes, florestas e zonas úmidas –, que criarão microclimas independentes. Isso dará autonomia ao parque, para que funcione mesmo durante os rigorosos invernos russos.

4. Prédios invisíveis

Celeiro de madeira, em Nova York, do escritório STPMJ

Celeiro de madeira, em Nova York, do escritório STPMJ

A tecnologia que possibilitou o LED pode dar um passo adiante: fachadas high-tech serão praticamente camufladas com imagens que reproduzem o ambiente ao redor do edifício, de acordo com uma matéria transmitida pelo canal de TV CNN. Mesmo indo na contramão da alta tecnologia, estruturas de madeira com filme espelhado, como esta projetada pelo escritório STPMJ, “borram a fronteira perceptiva entre o objeto e o ambiente”, segundo explicam os arquitetos responsáveis.

5. Fortes à prova de desastres naturais

Fortes futuristas do artista Dionisio Gonzalez, pensados para a costa do Alabama

Fortes futuristas do artista Dionisio Gonzalez, pensados para a costa do Alabama

O artista Dionisio Gonzalez projetou fortes futuristas feitos de ferro e concreto, fundindo o papel de artista com o de arquiteto, engenheiro e urbanista. Os edifícios, que misturam os conceitos de casa de praia, bunker e nave espacial, foram concebidos para os moradores de Dauphin Island, ilha de 1.200 habitantes localizada na costa do Alabama, região conhecida por enfrentar furacões catastróficos.

6. Arranha-céus que “trocam a roupa”

Cobertura espelhada para o Burj Khalifa, do Op.En

Cobertura espelhada para o Burj Khalifa, do Op.En

Em Dubai, o Burj Khalifa tem mais de 800 metros divididos entre 160 andares. Mais fascinante que sua estrutura, porém, é a proposta bizarra de uma “roupa” que o cobre com uma caixa gigante de tecido feito de material reflexivo.

O projeto, apelidado de EXO-BURJ, reveste o edifício com uma “roupa” que reflete o cenário urbano ao seu redor, transformando o Burj Khalifa em um enorme espelho.

7. Green power

A usina Wedel Vattenfall na Alemanha será transformada em um novo complexo industrial pelo escritório de arquitetura AZPA

A usina Wedel Vattenfall na Alemanha será transformada em um novo complexo industrial pelo escritório de arquitetura AZPA

As usinas de energia tradicionais ficarão no passado. Então, como aproveitar essas estruturas imensas? Com uma reforma verde, claro, que, além da função estética, vai ajudar a lidar com as emissões de CO2. O escritório de arquitetura AZPA (Alejandro Zaera-Polo Arquitectura) planeja transformar a usina Wedel Vattenfall, na Alemanha, em um complexo industrial envolvido com plantas trepadeiras, que vão absorver as emissões de gás carbônico.

8. Torres Biodegradáveis

A torre circular de tijolos orgânicos e reflexivos projetada pelo The Living

A torre circular de tijolos orgânicos e reflexivos projetada pelo The Living

No início do ano passado o MoMA de Nova York premiou a “torre circular de tijolos orgânicos e reflexivos” Hy-Fi, projetada pelo The Living, na 15 ª edição do Programa Jovens Arquitetos. Seu bio-design incorpora um material totalmente orgânico e apresenta emissões quase nulas de carbono em seu processo de construção.

9. Impressão 3D roubando mercado de decoradores

 Grotesque Digital, de Michael Hansmeyer e Benjamin Dillenburger

Grotesque Digital, de Michael Hansmeyer e Benjamin Dillenburger

Esqueça os decoradores: o futuro do design de interiores está nas mãos da impressão 3D. Temos que agradecer os arquitetos Michael Hansmeyer e Benjamin Dillenburger por esta ideia. Como parte do projeto “Grotesque Digital”, a dupla imprimiu um quarto inteiro, criando um cubo com 16 metros quadrados, decorado para parecer uma catedral futurista. “Digital Grotesque está entre o caos e a ordem, tanto natural como artificial, nem estranho, nem familiar. Todas as referências à natureza ou aos estilos existentes não são integrados no processo de design, mas são evocados apenas aos olhos de quem vê”, explicaram Michael e Benjamin.

10. Piscinas Flutuantes

O Family and Play Lab, em Nova York, dos especialistas em piscinas Archie Lee Coates IV, Dong-Ping Wong e Jeff Franklin

O Family and Play Lab, em Nova York, dos especialistas em piscinas Archie Lee Coates IV, Dong-Ping Wong e Jeff Franklin

O projeto nova-iorquino “Family e PlayLab” planeja trazer um sistema de filtragem gigante para as águas que separam Manhattan do Brooklyn. O projeto tomaria a forma de uma grande piscina flutuante, que deve ser concretizada em 2016. Os especialistas em piscinas Archie Lee Coates IV, Dong-Ping Wong e Jeff Franklin anunciaram em 2013 o início da construção de uma versão experimental da piscina. Com data de lançamento prevista para a metade deste ano, a mini-piscina testará as membranas de filtração nas condições reais do rio.

11. Salas de concerto infláveis

Estrutura Arca Nova, do escultor britânico Anish Kapoor e do arquiteto japonês Arata Isozaki

Estrutura Arca Nova, do escultor britânico Anish Kapoor e do arquiteto japonês Arata Isozaki

Do lado de fora se assemelha a uma grande bolha roxa, mas no interior se parece mais com uma brilhante concha colorida. Trata-se da primeira sala de concertos inflável do mundo, intitulada “Arca Nova”. O escultor britânico Anish Kapoor e o arquiteto japonês Arata Isozaki se uniram para criar a estrutura, destinada a percorrer as áreas do Japão afetadas pelo tsunami de 2011.

“A estrutura define um espaço para a comunidade e para a música em que a cor e forma se unem. Espero que a destruição possa ser superada pela criatividade. A música pode consolar e unir as comunidades”, afirma Kapoor.

12. Arranha-céus de madeira

O maior arranha-céu de madeira do mundo, do CF Møller e do DinnellJohansson

O maior arranha-céu de madeira do mundo, do CF Møller e do DinnellJohansson

Um edifício com 24 andares de madeira pode se tornar realidade se as equipes do CF Møller e do DinnellJohansson prosseguirem com o projeto do maior arranha-céu de madeira do mundo. O projeto foi concebido para o centro da cidade de Estocolmo.

13. Parque-esponja

O Parque Esponja, da empresa de arquitetura paisagística dlandstudio

O Parque Esponja, da empresa de arquitetura paisagística dlandstudio

O Canal Gowanus recebe o escoamento de esgoto de parte da cidade de Nova York. Para transformá-lo em um santuário limpo, a associação Gowanus Canal Conservancy chamou a empresa de arquitetura paisagística dlandstudio para criar um “parque-esponja”. Através de um inovador sistema de limpeza, ele vai retardar, absorver e filtrar o poluído escoamento de esgoto, antes que ele chegue ao canal.

14. Parece ficção científica

O Chaoyang Park Plaza, do MAD

O Chaoyang Park Plaza, do MAD

Em 2014, o escritório de arquitetura chinês MAD revelou imagens do Chaoyang Park Plaza, um centro de arranha-céus, edifícios de escritórios e espaços públicos que imitam a aparência das montanhas, colinas e lagos retratados em pinturas de paisagens chinesas. O complexo está em construção em Pequim e criará um skyline icônico, como se saído diretamente de um filme de ficção científica. “Ao transformar características das clássicas pinturas de paisagem chinesas, como lagos, nascentes, florestas, riachos, vales e pedras, em modernas paisagens da cidade, o espaço urbano cria um equilíbrio entre a alta densidade urbana e a paisagem natural”, descrevem os profissionais do MAD.

Compartilhe:

Casa com botox

Esta casa com terraço, situada em Singapura, tem 60 anos, mas nem parece. É que o estúdio de design Atelier M + A rejuvenesceu o lugar. De uma residência escuras com pequenos quartos, ela se transformou em um lugar amplo.

A gente percebe a modernização nos espaços livres e abertos, que surgiram quando as paredes e divisórias foram derrubadas. O centro das atenções passa pela cozinha e pela sala de jantar, e o interior e o exterior do local se fundem, devido à ausência de uma parede, que também foi removida e o terraço, então cumpre sua função como extensão do lar.

A eclética coleção de móveis – que a família que vive ali traz de suas viagens – e o bom uso de claraboias mantêm tudo mais iluminado e clean, tirando qualquer resquício dos anos 50 que pudesse pairar por ali.

Atelier M+A2

Atelier M+A3

Atelier M+A1

Atelier M+A4

Atelier M+A5

Atelier M+A7

Atelier M+A8

Atelier M+A9

Atelier M+A10

Compartilhe:

Habitações para surfistas na Espanha

Tarifa é uma charmosa cidade da Andaluzia espanhola, destino de quem ama praia e altas ondas. Foi pensando nisso que a instituição reThinking Competitions criou um concurso internacional com o tema “Habitação temporária para surfistas em Tarifa”. As propostas deveriam ocupar 30 metros quadrados com 100 alojamentos. Entre as 209 apresentadas, conheça os três primeiros colocados:

Primeiro Lugar

The Pop Up Tarifa 

De Verónica Rodríguez Vergara e Carlos Sánchez Sanabria (Escuela Técnica Superior de Arquitectura de Sevilla, Espanha)

The pop up tarifa, que ficou em 1o lugar

The pop up tarifa, que ficou em 1o lugar

O conceito de que os surfistas têm uma relação especial com a natureza e que estão sempre à procura de lugares dinâmicos e com condições atmosféricas específicas norteou este trabalho. “Propomos um projeto que aparece e desaparece, um não-lugar que necessita de um meio contínuo: obviamente o mar, que é a raiz para todas essas atividades. Sobre o skyline de Tarifa se configura uma paisagem composta por várias camadas. Falamos de uma paisagem artificial e efêmera. Focamos em uma estrutura de bambu articulado e pré-montado que pode ser facilmente dobrado. Essa estrutura é leve e pode ser transportada e rapidamente montada em qualquer parte, sem muitas ferramentas”, explicam os autores Verónica e Carlos.

Segundo Lugar

Jelly Watch

Orit Theuer (Academy of Fine Arts Vienna, Áustria)

 Jelly Watch, que ficou em 2o lugar

Jelly Watch, que ficou em 2o lugar

A ideia da estudante Orit foi criar 28 construções, capazes de abrigar de uma a seis pessoas, que se distribuem pela faixa de terra e são formadas por estruturas que se adaptam às influências ambientais. “Considerando que o público alvo só utilizará os abrigos durante a temporada de surf, busquei minimizar o impacto da estrutura no solo. Usei a topografia para criar o espaço, dedicando áreas mínimas para dormir e guardar os equipamentos esportivos”, explicou.

Terceiro Lugar

Foursquaremeter

Marius Tebart e Rene Kersting (Peter Behrens School of Architecture, Alemanha)

Four Square Meter, que ficou em 3o lugar

Four Square Meter, que ficou em 3o lugar

Compartilhe: