Op-Art em mostra

No final dos anos 50, o Suprematismo, o Construtivismo e o Concretismo davam origem a um novo movimento artístico que pregava a repetição de formas simples, o uso do preto e branco, os contrastes de cores vibrantes e as luzes e sombras acentuadas. Era o nascimento da Op-Art que tem na ilusão de ótica sua mais conhecida característica, o que passou a exigir do público – até então não habituado – uma interação.

É por isso que a mostra “Op-Art – Ilusões do Olhar”, que começa mês que vem no Museu da Casa Brasileira, será como uma viagem no túnel do tempo. Em exibição, sua influência no design, arquitetura, mobiliário, moda, cinema e publicidade. Com curadoria de Denise Mattar, a exposição terá três módulos temáticos: 1. Design gráfico, mobiliário e objetos (com cerca de 50 objetos entre pratos, canecas, almofadas e até skates); 2. Obras de arte (pinturas, esculturas e objetos de 30 artistas); e 3. Moda, cinema e publicidade, com vestidos, acessóros e projeções.

Espere encontrar trabalhos dos designers Alexandre Wollner, Almir Mavignier e Antonio Maluf; dos estilistas: Alceu Penna, Versace, Gareth Pugh, Martha Medeiros e Sandro Barrros; além dos artistas plásticos Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Hércules Barsotti, Hermelindo Fiaminghi, Luiz Sacillotto, Angelo Venosa, Hilal Sami Hilal, Julio Le Parc, Victor Vasarely e Carlos Cruz- Diez.

Aluísio Carvão, Composição em vermelho e preto, óleo sobre tela (1950)

Aluísio Carvão, Composição em vermelho e preto, óleo sobre tela (1950)

Cena de Anemic Cinema, de Marcel Duchamp

Cena de Anemic Cinema, de Marcel Duchamp

The Responsive Eye, de Brian de Palma

The Responsive Eye, de Brian de Palma

Serviço:

Mostra “Op-Art – Ilusões do Olhar”

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – São Paulo

Data: De 16 de abril até 1º de junho de 2015

Horário: de terça a domingo das 10h às 18h

Fone: 11 3032-3727

Ingressos: R$ 6. Entrada gratuita aos sábados, domingos e feriados.

mcb.org.br

Compartilhe:

Homenagem à bicicleta

A mostra “Pedalá e Cá”, em cartaz no Museu da Casa Brasileira (MCB), em São Paulo, discute a mobilidade urbana a partir da experiência holandesa do uso da bicicleta. Abre a exposição um painel com textos e imagens sobre essa tradição da Holanda, além de uma bicicleta criada pelo estúdio Van Moof Design e um vídeo sobre o uso cotidiano deste transporte no país.

Rainha da Holanda, Juliana van Oranje-Nassau, em sua bicicleta (1967). Foto de Benelux Press

Rainha da Holanda, Juliana van Oranje-Nassau, em sua bicicleta (1967)

“Na Holanda as bicicletas estão em todos os lugares, sempre e em qualquer época do ano. As bikes são uma parte essencial da identidade nacional. Pedalar todo dia significa que você é 100% holandês”, conta o curador Jorn Konijn. “Esta miniexposição mostra exatamente isto. O relacionamento da Holanda com suas bicicletas pode ser uma inspiração, um ponto de partida ou o objetivo final para as cidades brasileiras. Por que não deixar seu carro em casa e pedalar para o trabalho?”, completa.

Jogador Ronaldo junto ao ciclista Mario Cipollini (super Mario) durante o período em que jogou na Holanda, no clube PSV

Jogador Ronaldo junto ao ciclista Mario Cipollini (super Mario) durante o período em que jogou na Holanda, no clube PSV

A exposição do MCB é, na verdade, um recorte de outra que aconteceu em novembro, durante a feira Mercado Arte e Design (MADE). “O MCB procura desempenhar, por meio de suas ações, um papel ativo na discussão sobre o urbanismo em São Paulo, inserindo em sua programação cultural assuntos inerentes ao espaço urbano e à mobilidade na cidade. Acreditamos que a exibição pode ajudar a potencializar o debate sobre mobilidade urbana por aqui”, afirma o diretor técnico do Museu, Giancarlo Latorraca.

Serviço:

Mostra “Pedalá e Cá”

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Faria Lima, 2.705 – São Paulo

Data: Até 10 de maio de 2015

Horário: De terça a domingo, das 10h às 18h

Fone: 11 3032-3727

mcb.org.br 

Compartilhe:

5ª edição da mostra Jovens Designers

Para estimular a formação de novos talentos, difundir a cultura do design e contribuir para o desenvolvimento criativo, o Museu da Casa Brasileira apresenta a 5ª edição da Mostra Jovens Designers, com curadoria do professor Auresnede Pires Stephan.

Com a cenografia projetada pelo designer Sérgio Matos, a exposição apresenta produtos e protótipos de 63 universitários, selecionados de 24 universidades, em 12 cidades e 8 estados. Nós, do Living Design, selecionamos 18 para você ter um gostinho do que a exposição apresenta:

Banco Hipodâmico

Banco Hipodâmico

Banco Hipodâmico

Autor: Daniel Esteban P. L . Fidelis (Unesp – Bauru)

Com assento dividido em quatro módulos independentes, o banquinho faz menção ao traçado urbano organizado em tabuleiro (quarteirões), característica do trabalho do arquiteto grego Hipódamo.

Banquinho Peter

Banquinho Peter

Banquinho Peter 

Autor: Pedro Felipe Bezerra da Silva (Universidade Federal de Pernambuco)
Agrupados, os banquinhos podem ser configurados em curvas, retas e círculos. Empilhados, transformam-se em prateleiras que armazenam itens.

Bebedouro Guanabara

Bebedouro Guanabara

Bebedouro Guanabara

Autoras: Bruna Sirqueira e Layla Celegato Uechi (Centro Universitário Belas Artes de São Paulo)

Projetado para atender pessoas de diferentes estaturas e também pessoas com necessidades especiais. Não utiliza energia elétrica e prevê reaproveitamento da água que escorre para os ralos.

Bicharada

Bicharada

Bicharada

Autora: Paula Ribeiro (Faculdades Integradas Interamericanas -Grupo Oswaldo Cruz)

Linha de móveis lúdicos educativos, com peças modulares que podem ser montadas e desmontadas com combinações distintas e com desenhos de bichos que podem ter várias configurações.

Cadeira Compartilhar

Cadeira Compartilhar

Cadeira Compartilhar

Prêmio Tok&Stok

Autor: Danilo Fernandes Vitorino (Universidade Federal de Campina Grande)

Com sistema articulável, a cadeira se transforma em banco para duas pessoas ou em mesa. O revestimento tem sistema de zíper e pode ser retirado para facilitar a estocagem e transporte.

Camapuff

Camapuff

Camapuff

Salão Design Móvel Sul

Autoras: AdrielaArcilio da Silva e Isabella Schiesari Pedrolo (Faculdades Metropolitanas Unidas)

Projetado para melhorar o aproveitamento de pequenos ambientes, com um simples desenrolar, dois confortáveis puffs tornam-se uma cama com capacidade para um adulto.

Coral

Coral

Coral

Desafio de Design Odebrecht Braskem (menção honrosa)

Autores: Filipe Tucunduva, Jéssica Leite e Renata Fernandes (Fundação Armando Álvares Penteado)

Mesa de polímero. Os estudantes usaram como referência a natureza e a maternidade para representar a diversidade e a troca.

Cozinha Compacta Universal

Cozinha Compacta Universal

Cozinha Compacta Universal 

Autora: Érica dos Santos Malheiros Campanha (Faculdades Integradas Interamericanas -Grupo Oswaldo Cruz)

Cozinha projetada para atender as necessidades de cadeirantes, prevendo a circulação de não cadeirantes. Modelo em escala 1:10.

Cubo Totem

Cubo Totem

Cubo Totem

Prêmio Tok&Stok

Autor: Felipe Estevan Ribeiro (Unesp – Bauru)

Mobiliário com peças articuláveis que permitem diversos formatos de acordo com a necessidade do usuário.

Elo

Elo

Elo

Desafio de Design Odebrecht Braskem (1º lugar)

Autores: Cecilia Siqueira, Cesar Roberti e Rafael Conforto (Istituto Europeo di Design)

Família de mobiliário que utiliza apenas polímeros como matéria-prima. O grupo conseguiu aliar funcionalidade, integração e comunicação orgânica em toda a linha.

M345 – Mesa Adaptada para Cadeirantes

M345 – Mesa Adaptada para Cadeirantes

M345 – Mesa Adaptada para Cadeirantes

Autoras: Bárbara Regina de Abreu Moresco e Uildilene Carvalho de Freitas Leoni (FAE – Centro Universitário)

Desenvolvido para auxiliar nas atividades de estudo, lazer e alimentação, o M345 traz conforto, segurança e praticidade aos alunos cadeirantes e aos profissionais que os assistem.

Mancecaru

Mancecaru

Mancecaru

Prêmio Tok&Stok

Autora: Fabiana Yumi Fujishima (Instituto de Ensino Superior de Bauru – IESB)

Inspirado no mandacaru, cactos da caatinga, o mancebo organiza diferentes pertences pessoais. Projetado em modo bipartido, facilita o transporte pelo consumidor.

Mesa Oriente

Mesa Oriente

Mesa Oriente 

Prêmio Tok&Stok

Autora: Paula Larissa de Souza Cruz (Unesp – Bauru)

Mesa no estilo oriental formada por seis peças que se transformam em banquinhos.

Mesa Ufo

Mesa Ufo

Mesa Ufo 

Autor: Cicero Felix de Oliveira Junior (Unesp-Bauru)

Mesa com número reduzido de componentes e de fácil armazenamento. Tampo flutuante de MDF laqueado e pés de eucalipto. Altura de 75 cm.

MOD – MultifunctionalFurniture

MOD – MultifunctionalFurniture

MOD – MultifunctionalFurniture

Prêmio Sebrae Minas Design

Autor: Fernando Henrique Moraes Borges (Universidade do Estado de Minas Gerais)

Com os complementos (espelho, caixa e painel) se transforma em diversas mobílias: aparador, penteadeira, criado-mudo, mesa, painel para TV. O sistema de encaixe dispensa ferramentas.

Tangram

Tangram

Tangram

Prêmio Tok&Stok

Autor: Isac Ryutaro Otsuka (Faculdades Metropolitanas Unidas)

Mobiliário de encaixe que possibilita diferentes configurações. As quatro peças podem ser empilhadas ou dispostas lado a lado.

Pivot Modular

Pivot Modular

Pivot Modular 

Autor: Eric Müller Moreno (Universidade Regional de Blumenau)

Fogão modular por indução eletromagnética para pequenos espaços. Permite controle por meio de um aplicativo no celular. Utiliza menos energia por esquentar só o metal.

Poltrona Feijão com Arroz

Poltrona Feijão com Arroz

Poltrona Feijão com Arroz        

Prêmio Tok&Stok

Autor: Gabriel Tanner Pasetti (Universidade Tecnológica Federal do Paraná)

Poltrona para dois lugares que faz referência à cultura brasileira. Os arcos em madeira da estrutura podem ser cortados na mesma chapa, reduzindo o descarte de matéria-prima.

Serviço:

5ª Mostra Jovens Designers

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705, São Paulo

Data: De 12 de fevereiro a 29 de março de2015

Horário: De terça a domingo, das 10h às 18h

Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia-entrada)

Entrada gratuita aos sábados, domingos e feriados

Acesso a pessoas com deficiência/Bicicletário com 40 vagas

Visitas orientadas: 3026.3913 - agendamento@mcb.org.br

jovensdesigners.com.br

Compartilhe:

Exposição sobre arquiteto Lelé chega à Alemanha

Lelé

Em 2010, o Museu da Casa Brasileira (MCB) trouxe a São Paulo a exibição “A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção”, que falava sobre a vida e obra do arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé. A mostra já passou pela Holanda e agora chega à Alemanha com duas mostras: uma em Colônia e a outra em Hamburgo.

O projeto se tornou possível graças a uma parceria entre o Museu da Casa Brasileira e as unidades de Colônia e da Hamburgo da galeria de arquitetura AIT- ArchitekturSalon. A exibição foi curada pelo diretor técnico do MCB, Giancarlo Latorraca, em parceria com Max Risselada, professor da Universidade de Delft. Ela mostra o apuro técnico e a grande inventividade das soluções propostas por Lelé, arquiteto seminal na implantação de uma espacialidade adequada ao homem e ao ambiente no Brasil, com seus projetos integrados corretamente à paisagem e ao seu contexto sociocultural.

Maquetes, desenhos, fotografias, filmes e animações compõem a exposição em Colônia, apresentando ampla gama de soluções que mostram a naturalidade do arquiteto em projetar desde grandes espaços até o mobiliário ou detalhes de um componente hospitalar. Hospitais e passarelas de pedestres, entre outros projetos, revelam o cuidado de Lelé na concepção de obras que visam melhorar a qualidade de vida dos usuários. Em Colônia, a mostra recebe o nome de “Lelé: a cultura dos materiais e a arte da produção” e abre à visitação junto com a Passages 2015, tradicional semana de design da cidade, no dia 19 de janeiro.

Serviço:

Lelé: a cultura dos materiais e a arte da produção 

Local: ArchitekturSalon Köln – Salão de Arquitetura de Colônia, Alemanha – Rua Vogelsander, 70

Data: 19 de janeiro a 26 de fevereiro de 2015

Horário: De segunda a sábado, das 11h às 21h. Domingo, das 11 às 18h

Fone: +49 (0) 221/299 41 50-1

Compartilhe:

Como se vivia no Carandiru

O projeto “Casas do Brasil” propõe a formação de um inventário sobre a diversidade do morar no país. Pois ele chega à sexta edição no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, falando sobre as condições de vida encontradas no presídio do Carandiru. Em “SOBREVIVÊNCIAS/ uma exposição Sobre Vivências: Carandiru”, a A iconografia utilizada foi produzida pela equipe coordenada por Sophia Bisilliat e André Caramante entre 2001 e 2002, últimos anos de funcionamento da Casa de Detenção Professor Flamínio Fávero (Carandiru), antes de sua demolição.

Bigorna

Bigorna

Para que este registro fosse feito, antes de dar início a qualquer documentação efetiva, foi necessária a presença dos entrevistadores, entre abril e outubro de 2001, nos espaços internos da detenção. Em outubro de 2001 – dada a permissão de circular nos pátios, celas e corredores –, Sophia e André iniciaram o trabalho de documentação. Juntaram-se a eles João Wainer para fotografar e Maureen Bisilliat para gravar em vídeo os detalhes: cada coisa e cada lugar destacados.

Enfermaria do Pavilhão

Enfermaria do Pavilhão

“Minha familiaridade com o universo do Carandiru data dos anos 1980, resultado de uma experiência de documentarista do projeto Teatro no Presídio, desenvolvido na casa de detenção durante 5 anos (1984 a 1990), entre membros da população carcerária e um grupo de jovens profissionais (Inês de Castro, Sophia Bisilliat e Renato Primo Comi)”, relata Maureen.

Ferros de Passar

Ferros de Passar

A equipe coletou peças do dia a dia, que formam um recorte das ferramentas e utensílios improvisados pelos detentos: fornos, ferros, filtros, facas, que, na mostra do MCB, podem ser vistos fisicamente e em imagens de Renato Soares. São apresentados objetos e arranjos interiores produzidos como “resistência cultural”, feitos criativamente em condição de extrema limitação.

Lavagem de Pavilhão

Lavagem de Pavilhão

Montada cenicamente por Marcos Albertin, a exposição é dividida em módulos temáticos: limpeza, comida, esporte, religião, celas, saúde, silêncio, solidão – capítulos que ganham vida por meio das palavras de Drauzio Varella. Médico oncologista, voluntário na Casa de Detenção por 13 anos, hoje atendendo na Penitenciária Feminina da Capital, o autor dá voz aos presidiários e carcereiros do Carandiru.

Parede de cela

Parede de cela

Serviço:

Casas do Brasil 2014 – Sobrevivências, uma exposição sobre vivências: Carandiru

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – São Paulo

Data: até 15 de março de 2015

Horário: de terça a domingo das 10h às 18h

Fone: 11 3032-3727

 www.mcb.org.br 

*Fotos: João Wainer, Sophia Bisillia e Renato Soares

Compartilhe: