O revival do formato escama

O site Yellow Trace teve uma ideia muito bacana: reunir formas da arquitetura que lembram escamas de peixe. A autora, Dana Tomic Hughes, conta que lembrou dos primeiros desenhos de casas que fazia quando era criança: elas tinham telhados desenhados com ondulações. Para ela, esta nostalgia que todos nós temos – e mais o fato de esta forma estar presente na natureza, na escama dos peixes, por exemplo – nos faz responder positivamente a este formato. E hoje, a arquitetura e o design estão em um momento revival desta forma, mas com um apelo de 3D e uma aplicação inovadora da geometria arredondada.

Como exemplos desse ressurgimento das escamas na arquitetura, Dana mostra, por exemplo, a casa espiral de dois andares projetada por Olavi Kopose, do estúdio r2k architects. Com uma estética contemporânea e rústica, a construção tem formas sinuosas.

1 Casa projetada por OlaviKopose, em Espoo, Finlândia

2 Casa projetada por OlaviKopose, em Espoo, Finlândia

3 Casa projetada por OlaviKopose, em Espoo, Finlândia

Tem também a Yardhouse, do escritório londrino Assemble, que tem uma fachada toda de espécies de azulejos de concreto coloridos sobrepostos.

4 Yardhouse, por Assemble, em Stratford, Inglaterra

5 Yardhouse, por Assemble, em Stratford, Inglaterra

E ainda o projeto residencial de Elenberg Fraser que reflete o formato das folhas do Albert Park, que o rodeia, na Austrália.

6 Casa na 50 Albert Street, em Melbourne, de Elenberg Fraser

7 Casa na 50 Albert Street, em Melbourne, de Elenberg Fraser

Já nesta pequena casa em Londres, projetada pela arquiteta Laura Dewe Mathews, telhas arredondadas criam verdadeiras escamas de madeira.

8 Gingerbread House, de Laura Dewe Mathews, em Londres

9 Gingerbread House, de Laura Dewe Mathews, em Londres

10 Gingerbread House, de Laura Dewe Mathews, em Londres

Enquanto isso, os arquitetos do estúdio UUfie desenharam um chalé com amplas salas e paredes compostas de pequenos painéis de madeira clara. Com exceção de uma, no quarto, feita de telhas de madeira que lembram escamas de peixe.

11 Chalé com entrada espelhada, de UUfie, em Ontario

12 Chalé com entrada espelhada, de UUfie, em Ontario

E o studio turco Autoban pensou em casulos para decorar o novo terminal do aeroporto internacional do Azerbaijão. São estruturas compostas de pequenas telhas cobertas com carvalho envernizado.

13 Heydar Aliyev, aeroporto internacional do Azerbaijão, por Autoban

14 Heydar Aliyev, aeroporto internacional do Azerbaijão, por Autoban

Veja abaixo outros exemplos:

Escritório e apartmento, da AST 77, na Bélgica

Escritório e apartmento, da AST 77, na Bélgica

Ize Hotel, projeto do Studio TonTon, em Bali

Ize Hotel, projeto do Studio TonTon, em Bali

Casa Viganello, projeto de Volpato Hatz, na Suíça

Casa Viganello, projeto de Volpato Hatz, na Suíça

Edifício de escritórios In-Out, projetado por Jouin Manku, em Paris

Edifício de escritórios In-Out, projetado por Jouin Manku, em Paris

Estúdio projetado por Marchetto Higgins Stieve Architects, nos Estados Unidos

Estúdio projetado por Marchetto Higgins Stieve Architects, nos Estados Unidos

 

 

 

 

 

Compartilhe:


Transformação urbana em pauta

No estudo “Transforming australian in cities”, atualizado em março de 2010, o arquiteto e secretário de design urbano de Melbourne, Rob Adams, já relatava que mais de 80% da população australiana vivia nas cidades. O estudo ainda apontava uma projeção da população urbana mundial para os próximos 36 anos de 6,4 bilhões de pessoas, enquanto em 1900 contabilizávamos uma população urbana de 200 milhões de habitantes.

1

Com estes dados em mãos, o australiano afirma que vivemos hoje uma revolução urbana. “Isso vai requerer uma construção urbana, para os próximos 40 anos, equivalente ao que foi construído desde que foram estabelecidos os primeiros assentamentos urbanos”, afirmou Adams.

2

O arquiteto se tornou reconhecido internacionalmente ao liderar a premiada requalificação urbana de Melbourne, feita integralmente dentro de princípios sustentáveis. Nesse trabalho, o arquiteto se dedicou a revitalizar não apenas as ruas, mas também parques e lagos, integrando-os ao ambiente urbano.

3

Agora ele vem ao Brasil para apresentar este estudo em uma conferência na Feira Construir 2014, que acontecerá no dia 1º de outubro, às 19h, no Riocentro. O evento é gratuito e promovido pelo IAB-RJ e pela Feira Construir 2014.

Serviço:

Conferência com Rob Adams

Local: Riocentro – Av. Salvador Allende, 6555 – Rio de Janeiro

Data: 1º de outubro de 2014

Horário: 19:00

construirrio.com.br 

Compartilhe:


Pelo direito de observar as estrelas (e dormir melhor)

Por esta você não esperava. Além da poluição dos ares e das águas, existe também a poluição luminosa que, claro, também prejudica a nossa saúde. As grandes cidades que passam as noites iluminadas provocam alterações em nosso ciclo do sono e resultado, a gente conhece bem: insônia e sono leve e agitado.

Nova York

Nova York

Existe até uma entidade especializada em estudar a poluição luminosa: o Escritório de Proteção da Qualidade do Céu do Norte do Chile. Eles estudam formas de proteger esta região onde fica o deserto do Atacama, que é um patrimônio ambiental reconhecido como o melhor lugar do hemisfério sul para a observação astronômica.

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

Pois bem, agora a Universidad Complutense de Madrid resolveu analisar fotografias noturnas das cidades tiradas pela Estação Espacial Internacional da NASA e criou o estudo “Cuidades de Noche”, que reúne neste site mais de 1.000 imagens de satélite. Elas alertam para o alto consumo elétrico: para se ter ideia, o gasto mínimo da União Europeia ultrapassa os 4 bilhões de euros! Vale ficar alerta a mais esta forma de poluição e, ao mesmo tempo, apreciar essas belas imagens que resultam da pesquisa.

São Paulo

São Paulo

Belo Horizonte

Belo Horizonte

Kyoto

Kyoto

 

 

Compartilhe:


Atenção, estudantes de arquitetura e engenharia

Hotel Unique, em São Paulo

Hotel Unique, em São Paulo

Estudantes dos cursos de Arquitetura, Engenharia Civil, Elétrica, Mecânica e de Produção que estiverem cursando o último ano, fiquem de olho: estão abertas as inscrições para o Programa de Estágio 2015 da Método Engenharia.

A empresa é responsável pela construção do hotel Unique, em São Paulo, e atua em todas as regiões do Brasil, além de atuar na América Latina, com importantes projetos no Uruguai, Chile e Argentina. O programa de estágio dura um ano e o estudante passa pelas principais áreas da companhia, além de ter módulos mensais com temas alinhados ao negócio e à cultura da Método.

Os interessados poderão se candidatar até o dia 17 de outubro, por meio deste link e o processo seletivo é composto por diversas fases, entre testes online, dinâmicas de grupo e entrevistas com a alta gerência da empresa.

Compartilhe:


Nova York vista de cima

Experimentar a cidade por uma nova perspectiva. Esta é a proposta do High Line, parque público nova-iorquino que foi construído sobre um caminho de trem desativado em 1980. Ele funcionava em uma estrutura elevada, semelhante ao Minhocão de São Paulo e, desde que saiu de uso, plantas brotaram entre seus trilhos. Associações de moradores de Nova York e a entidade Friends of Highline, então, dividiram sua construção – repleta de paisagismo, obras de arte e espreguiçadeiras para se apreciar a vista da metrópole e do rio Hudson – em três etapas.

A vista da ponte que passa por cima da 11th Avenue

A vista da ponte que passa por cima da 11th Avenue

Esta semana foi inaugurada a última delas. Hoje, o parque vai da Gansevoort Street, no descolado Meatpacking District até a West 34th Street, entre a 10th e a 12th Avenues. Exemplo de redesenvolvimento urbano, o High Line oferece mostras temporárias de artistas contemporâneos e atividades culturais para crianças e adultos. E olha que levou apenas 15 anos para ficar pronto.

Ao fundo, o rio Hudson

Ao fundo, o rio Hudson

A equipe que assina o projeto é composta pelos paisagistas do escritório James Corner Field Operations, pelo designer de plantas Piet Oudolf e pelos arquitetos do Diller Scofidio + Renfro. “Representando um terço do High Line, o trecho “High Line at the Rail Yards” é um dos mais icônicos do parque, com vistas amplas do rio Hudson River e do skyline do centro da cidade,” disse James Corner Field na ocasião da inauguração, no último dia 21.

Os trilhos de trem reaproveitados com um belo paisagismo

Os trilhos de trem reaproveitados com um belo paisagismo

Áreas para piquenique são a principal novidade, além de uma instalação do artista argentino Adrián Villar Rojas, intitulada “The Evolution of God”. Em breve, deve ainda ser inaugurado um anfiteatro em forma convexa repleto de plantas e flores.

Outro detalhe dos trilhos

Outro detalhe dos trilhos

Outro trecho sobre a 11th Avenue

Outro trecho sobre a 11th Avenue

Pedaço do High Line na altura da West 33rd Street e da 12th Avenue

Pedaço do High Line na altura da West 33rd Street e da 12th Avenue

Plantas que cresceram naturalmente desde que os trilhos foram desativados em 1980

Plantas que cresceram naturalmente desde que os trilhos foram desativados em 1980

Vista aérea de um trecho do High Li

Vista aérea de um trecho do High Line

 

 

 

 

Compartilhe: