O celular como câmera

Já está se tornando tradicional no calendário de São Paulo o “Maio Fotografia no MIS”, mês dedicado a exposições que contemplam esta arte no Museu da Imagem e Som.

Desta vez, porém, além das obras habituais, na primeira semana do mês acontece também a segunda edição da “mObgraphia”, idealizada por Cadu Lemos e Ricardo Rojas. Este é o maior evento da América Latina a reunir um festival e uma premiação dedicados à mobgrafia, que nada mais é que a fotografia realizada em plataformas móveis, ou seja, smartphones e tablets.

O movimento, a gente sabe, é uma febre, e lança milhares de novos olhares sobre o mundo a cada minuto, tendo se tornado uma das mais poderosas ferramentas geradoras de conteúdo imagético. Os aplicativos disponíveis nas lojas virtuais são combustíveis adicionais que permitem que a criatividade sobre a imagem role solta. Por meio do uso de filtros, recortes e montagens, democráticas e de uso bastante amigável, é possível recriar fotografias e até mesmo dar a elas conotações distintas da original.

Foi de olho nisso que Cadu e Ricardo começaram a disseminar nos pais um incentivo para que esta prática assuma, cada vez mais, um viés artístico. O resultado foi a criação da “mObgraphia”, que este ano traz uma série de atividades, como debates, palestras com especialistas, workshops e exposições, além de uma premiação nacional destinada a fotógrafos amadores e profissionais que usam plataformas móveis como meio de captação de edição de imagens.

Serão sete categorias: Street, Paisagem, Preto e Branco, Retrato, Artes Visuais, Fotojornalismo/documental e ensaios com cinco imagens, além da grande vencedora da noite, a foto “Best of the Show”.

De Anderson Angelico, Sobre Reflexos e Solidão

De Anderson Angelico, Sobre Reflexos e Solidão

De Andrea Hagge, Sombrinha

De Andrea Hagge, Sombrinha

De Beto Pestana, Sem Título

De Beto Pestana, Sem Título

De Denise Perez, Patterns

De Denise Perez, Patterns

De Hugo Martins, Asas

De Hugo Martins, Asas

De Marcello Henrique, Protesto 15 de março

De Marcello Henrique, Protesto 15 de março

De Simony Rodrigues, Submersa

De Simony Rodrigues, Submersa

Serviço:

Segunda Edição do Prêmio mObgraphia

Local: MIS (Museu da Imagem e Som) – Av. Europa, 158, São Paulo

Data: 1º, 2 e 3 de maio de 2015

Horário: Das 12h às 20h

mobgraphia.com

Compartilhe:


SP-Arte 2015

SP-Arte 7

No ano em que só se tem falado em Marina Abramovic, a SP-Arte, um dos eventos mais respeitados do setor, está com uma programação voltada para instalações e performances e forte presença internacional: participam 140 galerias de arte moderna e contemporânea de 17 países.

“É uma alegria receber pela primeira vez algumas das mais importantes galerias da América Latina, Estados Unidos, Europa e África. São Paulo é uma cidade-chave no mapa internacional das artes e este ano nós teremos uma presença marcante de colecionadores, curadores e diretores de museus de todo o mundo, atraídos pela qualidade dos artistas brasileiros, que cada vez mais recebem a atenção do mercado global”, diz Fernanda Feitosa, criadora e diretora da SP-Arte.

SP-Arte 2

Este ano, o Open Plan, que fica dentro do prédio da Bienal de São Paulo, recebe obras que não interferem na arquitetura do terceiro piso do pavilhão. Para o uso desse espaço expositivo, o curador Jacopo Crivelli Visconti afirma ter optado por trabalhos de dimensões grandes.

Entre as obras que voltam para o Pavilhão estão a “Residência – escada” (2010/2015) de Rochelle Costi (Luciana Brito/Celma Albuquerque/Anita Schwartz), apresentada na 30ª Bienal, em 2012, e a obra “How to construct an orange?”, de Attila Csorgo (Gregor Podnar), apresentada na 22ª Bienal, em 1994. Trabalhos inéditos também fazem parte da exposição. A galeria Barbara Thumm trará uma individual de Django Hernández, com as obras “Orange Curtain” e “Flavor Orbit”, ambas de 2014, a Galleria Continua trará “En Enfilade” (2007), de Daniel Buren; e a Kurimanzutto, “Por si las moscas” (2013), de Fernando Ortega.

SP-Arte 3

Já o setor Performance contará com doze artistas apresentando 14 performances de própria autoria e será um campo não só para a prática, mas também para discussão da performance e de seus processos de documentação.

Inaugurado no ano passado, o espaço Solo, com mostras individuais, volta à SP-Arte neste ano, com curadoria de Rodrigo Moura, diretor do Instituto Inhotim, e María Inéz Rodríguez (CAPC/Musée d’Art Contemporain de Bordeaux). Serão 12 galerias, de artistas como Mario Cravo Junior (Paulo Darzé), Wilfredo Prieto (Nogueras Blanchard) e Augusto de Campos (Document Art Gallery). “A seção se reafirma como plataforma de pesquisa, favorecendo o acesso do público a artistas que ainda não foram descobertos ou cujas obras merecem ser reapreciadas”, afirma Rodrigo Moura.

SP-Arte 1

Serviço:

SP-Arte

Local: Pavilhão da Bienal – Parque do Ibirapuera, Portão 3 – São Paulo

Data: Até 12 de abril de 2015

Horário: Dias 9, 10 e 11 de abril, das 13h às 21h e dia 12 de abril, das 11h às 19h

Entrada: R$ 40

sp-arte.com

*Fotos: Pétala Lopes

Compartilhe:


Livros que brilham

Os livros são a base do trabalho da artista coreana Airan Kang. E a gente não está falando da inspiração, não. É que ela usa as publicações como sua principal matéria-prima.

Airan os transforma em móveis e luminárias que são puro objeto de desejo. Como seus “Livros Luminosos”, por exemplo. Feitos em resina sintética, eles incorporam diodos luminosos, os famosos LEDs, tanto na capa como em suas páginas internas. Têm uma estética linda e dão uma nova dimensão aos chamados livros coffee table.

Ela, que já criou mais de 200 esculturas com livros, expôs suas instalações na Bryce Wolkowitz Gallery, em Nova York, no Vangi Museum, no Japão e na One Interview Gallery, em Seul. Fala sério, não é um sonho ter uma biblioteca – organizada e iluminada deste jeito – em casa?

book

Livro luminoso

Livro luminoso

Livro luminoso 3

Livro luminoso 4

Livro luminoso

2

 

 

Compartilhe:


Op-Art em mostra

No final dos anos 50, o Suprematismo, o Construtivismo e o Concretismo davam origem a um novo movimento artístico que pregava a repetição de formas simples, o uso do preto e branco, os contrastes de cores vibrantes e as luzes e sombras acentuadas. Era o nascimento da Op-Art que tem na ilusão de ótica sua mais conhecida característica, o que passou a exigir do público – até então não habituado – uma interação.

É por isso que a mostra “Op-Art – Ilusões do Olhar”, que começa mês que vem no Museu da Casa Brasileira, será como uma viagem no túnel do tempo. Em exibição, sua influência no design, arquitetura, mobiliário, moda, cinema e publicidade. Com curadoria de Denise Mattar, a exposição terá três módulos temáticos: 1. Design gráfico, mobiliário e objetos (com cerca de 50 objetos entre pratos, canecas, almofadas e até skates); 2. Obras de arte (pinturas, esculturas e objetos de 30 artistas); e 3. Moda, cinema e publicidade, com vestidos, acessóros e projeções.

Espere encontrar trabalhos dos designers Alexandre Wollner, Almir Mavignier e Antonio Maluf; dos estilistas: Alceu Penna, Versace, Gareth Pugh, Martha Medeiros e Sandro Barrros; além dos artistas plásticos Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Hércules Barsotti, Hermelindo Fiaminghi, Luiz Sacillotto, Angelo Venosa, Hilal Sami Hilal, Julio Le Parc, Victor Vasarely e Carlos Cruz- Diez.

Aluísio Carvão, Composição em vermelho e preto, óleo sobre tela (1950)

Aluísio Carvão, Composição em vermelho e preto, óleo sobre tela (1950)

Cena de Anemic Cinema, de Marcel Duchamp

Cena de Anemic Cinema, de Marcel Duchamp

The Responsive Eye, de Brian de Palma

The Responsive Eye, de Brian de Palma

Serviço:

Mostra “Op-Art – Ilusões do Olhar”

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705 – São Paulo

Data: De 16 de abril até 1º de junho de 2015

Horário: de terça a domingo das 10h às 18h

Fone: 11 3032-3727

Ingressos: R$ 6. Entrada gratuita aos sábados, domingos e feriados.

mcb.org.br

Compartilhe:


Sensações do futuro

Sensações do Futuro 1

Uma exposição inovadora, em que a arte se apresenta sob a forma de cubos e envolve os cinco sentidos. Esta é a proposta da mostra “Sensações do Futuro”, que passou por Xangai e chega agora a São Paulo, no Parque do Ibirapuera, promovida pela marca de materiais de alta performance Saint-Gobain.

A mostra é uma jornada sensorial dividida em quatro grandes cubos visitáveis, separados pelos temas Ver, Ouvir, Colorir e Criar. Ficou curioso? Veja o que você vai encontrar por lá:

Sensações do Futuro 2

Pavilhão Ver: composto externamente por espelhos com LED, se apresenta de duas formas. Durante o dia, as imagens refletidas criam perspectivas diferentes, e as mudanças do tempo, como os raios de sol e as nuvens, servem de pano de fundo para as figuras. À noite, torna-se um cubo de luz com LEDs gráficos que animam sua fachada. No interior, os visitantes mergulham em uma viagem pelos materiais e pela ciência por meio de perspectivas e jogos de luz.

Pavilhão Ouvir: um grande cubo acolchoado que proporciona uma experiência de espacialização sonora, por meio de uma acústica refinada. Sons puros da natureza, o som do mar e até os ruídos urbanos embalam os visitantes em uma viagem interativa por meio da tecnologia.

Sensações do Futuro 3

Pavilhão Colorir: é um carrossel montado com painéis de vidros coloridos e móveis, que forma um grande caleidoscópio e demonstra a convergência entre a luz, as cores e as texturas do vidro, transportando os visitantes a um mundo multicolorido de sonhos.

Pavilhão Criar: por fora, o espaço evoca o movimento de uma escada. À noite, suas bordas são marcadas com luzes de LED e a estrutura revela um movimento futurista.  Dentro, painéis de tecidos luminosos, elaborados em fibra óptica, brincam com a percepção do espaço. No teto, um show de laser anima o visual.

Pavilhão Saint-Gobain: aqui, o público tem a oportunidade de conhecer mais sobre a Saint-Gobain, suas marcas, a tecnologia e a inovação dos materiais para construção e de alta performance do grupo, além de poder navegar pela Exposição Virtual e divertir-se com o Jogo Saint-Gobain.

Serviço:

Exposição Sensações do Futuro

Local: Arena de Eventos do Parque do Ibirapuera – Av. Pedro Álvares Cabral – São Paulo

Data: Até 4 de abril de 2015

Horário: Das 10h às 22h

parqueibirapuera.org

Compartilhe: