Mostra com 40 obras de Hermelindo Fiaminghi começa no dia 30 de agosto

O artista paulistano Hermelindo Fiaminghi (1920-2004) achava que não existiam cores mais puras que outras, mas sim um espectro de cores mais ou menos luminosas. Com isto, adotou no início dos anos 60 uma estética que se tornou paradigma de sua arte: a Cor-Luz. Ele a obtinha por meio de retículas feitas individualmente em pincel, o que criava uma nova maneira de compor as imagens, ao invés da tradicional mistura de tintas. E é em torno desta estética que gira a mostra “Hermelindo Fiaminghi – Cor-luz”, em cartaz na Dan Galeria, em São Paulo, a partir de 30 de agosto. Algumas obras do período Concretista (anos 50) também estarão em exibição.

Hermelindo começou sua trajetória como artista gráfico no início dos anos 1940, trabalhando com litografia. No início dos anos 1950, começou a realizar trabalhos abstratos. Neles, revelava a influência que sofrera da arte construtiva, aquela, em que pintura e escultura são pensadas como construções, guardando proximidade com a arquitetura em termos de materiais, procedimentos e objetivos. Porém, o artista Waldemar Cordeiro (1925 – 1973), um dos líderes do movimento construtivista no Brasil, o considerava um intruso. Em 1959, então, ambos rompem relações e nos anos 60, Fiaminghi começa a fase mais prolífica de sua carreira com a fase Cor-Luz, justamente a retratada na exposição em São Paulo.

Alternado IV, têmpera sobre tela, de 1969

Alternado IV, têmpera sobre tela

Corluz número 6387

Corluz número 6387

Corluz número 8945

Corluz número 8945

Corluz número 9002

Corluz número 9002

Retícula Cor Luz Vii, têmpera sobre tela

Retícula Cor Luz Vii, têmpera sobre tela

Círculos com movimento alternado, esmalte sobre madeira

Círculos com movimento alternado, esmalte sobre madeira

Serviço:

Mostra Hermelindo Fiaminghi – Cor-luz

Local: Dan Galeria – Rua Estados Unidos, 1638, São Paulo

Datas: De 30 de agosto a 30 de setembro de 2014

Horário: De segunda a sexta das 10h às 18h. Aos sábados das 10h às 13h

Fone: 11 3083-4600

dangaleria.com.br

 

Compartilhe:


Maior feira de fotografia da América Latina começa esta semana

Hildegard Rosenthal é considerada a primeira mulher a atuar como fotojornalista no Brasil. Nascida em Zurique em 1913, ela veio para o Brasil fugindo do regime nazista em 1937 e fez carreira aqui. As fotos que fez em São Paulo documentam o cotidiano da vida urbana. Suas imagens têm poucos espaços vazios e as informações são exploradas à minúcia: até mesmo detalhes à sombra são valorizados. Hildegard passou por veículos como “O Estado de S. Paulo” e “Folha da Manhã”. Hoje, algumas de suas obras fazem parte do acervo do Instituto Moreira Salles, que trazem este trabalho jornalístico, mas também de cunho artístico à edição 2014 da SP-Arte/Foto, que acontece em São Paulo de 21 a 24 de agosto.

Hildegard Rosenthal, obra Avenida São João, Instituto Moreira Salles

Hildegard Rosenthal, obra Avenida São João, Instituto Moreira Salles

Além das obras em estilo vintage, como as de Hildegard, a feira traz fotografias modernas e contemporâneas de cerca de 40 galerias brasileiras. Entre os destaques da programação estão a mostra individual de João Castilho e imagens de autoria de Armando Queiróz, que também estará na 31ª Bienal de Artes de São Paulo.

"Arara", João Catilho

“Arara”, João Catilho

Paralelamente à exposição, ocorrem debates e lançamentos de livros. O ciclo de encontros “Imaginar é preciso” traz temas como “ As formas de criação do espaço e do corpo na imagem contemporânea” e “Modernismo e as novas modernidades”. Publicações de Cristiano Mascaro, Stephen Shore e Christian Cravo serão lançadas durante a semana nos stands das galerias que os representam. O tema, claro, é a fotografia.

" O Peso", Lucas Simões

“O Peso”, Lucas Simões

Massimo Vitali, Galeria Baró

Massimo Vitali, Galeria Baró

Marcia Xavier, Galeria Triangulo

Marcia Xavier, Galeria Triangulo

Serviço:

SP-Arte/ Foto 2014

Local: Shopping JK Iguatemi – Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 – 3º piso – São Paulo

Data: De 21 a 24 de agosto

Horário: De quinta a sábado, das 15h às 21h, e no domingo, das 15h às 20h

Fone: 11 3094-2820

Entrada gratuita

sp-arte.com/foto 

 

Compartilhe:


Livro traz registros históricos de grades ornamentais de Belo Horizonte

Print

Lembra quando você flanava pela cidade e cada casa tinha um estilo, um gradil, uma poesia? Com a verticalização das grandes cidades, as construções deixaram o romance de lado e parte da história da nossa arquitetura está se perdendo. Foi pensando nisso que Fernanda Goulart, professora de Artes Gráficas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), saiu às ruas da capital mineira em 2011, com um grupo de pesquisadores que percorreram cerca de cem trajetos em 35 bairros antigos da cidade, em um esforço que resultou em mais de quatro mil imagens frontais, com os tipos de grades ornamentais fotografadas individualmente. A partir destas fotos, os modelos foram vetorizados e transformados em um acervo de ornamentos (salvos em DVD) e em um livro, o “Urbano Ornamento: inventário de grades ornamentais (e outras belezas)”.

livro ornamento urbano 2

Em versão impressa e digital, a publicação traz um inventário abrangente de grades ornamentais, uma reflexão sobre o significado destes bens, assim como das residências e habitantes que guardam. O livro tem 320 páginas com inúmeros desenhos de gradis elaborados, fotografias de casas e depoimentos de moradores. Além do registro histórico, os desenhos do acervo criado permitem a reaplicação atual de gradis tradicionais em diferentes plataformas por designers, arquitetos, serralheiros e interessados, por meio de modelos reprodutíveis presentes no livro, que podem ser usados para quaisquer fins, livres de direitos autorais, viabilizando a manutenção viva desta rica tradição de elaborar grades ornamentais em nossas cidades.

Serviço:

Lançamento do livro “Urbano ornamento: inventário de grades ornamentais (e outras belezas)”

Local: Museu da Casa Brasileira – Av. Faria Lima, 2.705 – São Paulo

Data: 21 de agosto de 2014

Horário: A partir das 19h30

Fone: 11 3032-3727

mcb.org.br

Compartilhe:


Exposição traz imagens incríveis do bioma brasileiro

O amazonense Rodrigo Braga mudou-se para Pernambuco aos dois anos e vive no Rio de Janeiro desde 2011. Viveu os últimos quatro anos dividido entre estes três Estados e, apaixonado pela natureza – amor que herdou dos pais biólogos -, viveu experiências com biomas e culturas de cada um deles. O resultado é uma série de 30 fotografias, que juntamente com três vídeos e objetos encontrados nas investigações em campo, compõe a maior exposição de sua carreira: “Agricultura da Imagem”, em cartaz de 4 de setembro a 30 de novembro no Sesc Belenzinho, em São Paulo.

“A construção da imagem é um processo constante no trabalho de Rodrigo, que sempre parece estar buscando imagens que já existem em sua cabeça, em um eterno déjà vu imagético”, destaca o curador da mostra, Daniel Rangel. Realmente, seu processo criativo é peculiar: ele mergulha na natureza local, por mais inóspita que seja, em busca de cenários e elementos para compor suas fotos e realizar seus vídeos. A imersão em cada lugar dura geralmente um mês, em solidão. O artista produz suas fotos com elementos que encontra pelo caminho, como folhas, pedras e flores, e outros que compra em mercados e feiras locais, como carcaças de animais.

“Exploro a região para encontrar inspiração e faço desenhos em meu caderno de croquis, que no futuro se transformarão no trabalho final”, conta. Esses rascunhos também estarão presentes na mostra, numa espécie de gabinete do fotógrafo que, para esta mostra, explorou o Rio Negro, o litoral de Pernambuco e os cursos d’água do bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. As imagens refletem um olhar sensível que só possuem aqueles que buscam um diálogo verdadeiro e direto entre homem e natureza, como Rodrigo.

Biomimesis

“Biomimesis”, de 2010

"Deriva", de 2010

“Deriva”, de 2010

'Decanto", de 2011

‘Decanto”, de 2011

Serviço:

Mostra “Agricultura da Imagem”

Local: Galpão do Sesc Belenzinho – Rua Padre Adelino, 1000, São Paulo

Datas: De 04 de setembro a 30 de novembro de 2014.

Horários: De terça a sábado, das 10h às 21h. Domingos e feriados, das 10h às 19h.

Fone: 11 2076-9700

Entrada gratuita.

sescsp.org.br/belenzinho

 

Compartilhe:


As 10 cidades mais fotografadas do mundo

Ouça abaixo a matéria que foi ao ar no rádio ou clique aqui para fazer o donwload:

 

Você conhece o site Panoramio? Ele é uma espécie de flickr, ou seja, uma comunidade virtual focada naquelas imagens incríveis que a gente faz quando viaja mundo afora. Ligado ao Google, o site permite “compartilhar e explorar o mundo em fotos”, segundo sua própria definição. O legal é que agora o Panoramio cruzou seus dados com o Foursquare, o Google Places e a Wikipedia e chegou a um mapa com os 10 lugares mais fotografados do planeta. Saiba quais são eles:

1. Nova Iorque (Estados Unidos): Em uma mesma cidade você tem Times Square, Estátua da Liberdade, Rockefeller Center, Central Park, Empire State Building e o maior número de cenários de cinema ao ar livre do mundo. É imbatível.

noticia 10 cidades - imagem 7 - Nova York2. Roma (Itália): Romântica, histórica e artística. Precisa dizer mais?

noticia 10 cidades - imagem 2 - Roma3. Barcelona (Espanha): Praia, montanha, cidade histórica, rica arquitetura e museus estão entre os atrativos que enlouquecem os fotógrafos de fim de semana.
noticia 10 cidades - imagem 3 - Barcelona 4. Paris (França): A cidade mais visitada do planeta até que ficou mal colocada no ranking.
noticia 10 cidades - imagem 1 - Paris 5. Istambul (Turquia): Exotismo por todos os lados, uma rica cultura e arquitetura típica são os valores sociais da capital turca.

noticia 10 cidades - imagem 8 - Istambul6. Veneza (Itália): Uma cidade única mundo. E ainda com a possibilidade de afundar. Só podia estar na lista.

noticia 10 cidades - imagem 5 - Veneza7. Monte Carlo (Mônaco): Tudo perfeito, organizado e limpo. Cada esquina é um flash.
noticia 10 cidades - imagem 9 - Monte Carlo8. Florença (Itália): O mais completo museu da Itália, esculturas ao ar livre, pontes e rios para todos os lados propiciam imagens que parecem saídas de um guia de turismo, mesmo aos mais reles dos mortais.
noticia 10 cidades - imagem 4 - Florença 9. Buenos Aires (Argentina): Aqui, até o cemitério tem obras de arte. A parte moderna a elegante Recoleta, o boêmio Palermo, oferecem uma miríade de opções para câmeras de plantão
noticia 10 cidades - imagem 6 - Buenos Aires 10. Budapeste (Hungria): As 118 fontes, o rio Danúbio e suas dez pontes e uma arquitetura lindíssima podem explicar a capital de Praga estar nesta lista.

noticia 10 cidades - imagem 10 - Praga

Compartilhe: