Em 2016, 38 novos emojis chegam ao mercado. Quer saber quais?

emojis

Um rosto com chapéu de caubói, outro com nariz de mentiroso, uma mãozinha fazendo uma selfie, uma cenoura, uma batata e um pepino. Lista estranha, né? Mas estes são apenas alguns dos 38 novos emojis anunciados pela Unicode Consortium, que chegam em 2016 ao mercado.

A ideia é tentar atender cada vez mais diferentes países e hábitos culturais. Mas alguns parecem, mesmo, sem nenhum sentido. Então, a gente adorou a seleção que a revista fora-da-caixa Dazed & Confused fez dos emojis mais “úteis”:

Mulher grávida

Para dizer: “tenho uma novidade” e depois jogar o emoji. Como uma bomba.

Mamãe Noel

Para colocar no grupo de amigos e suscitar uma discussão feminista sobre o fato de Papai Noel ser, na verdade, uma Mamãe Noel.

Coração Negro

Quando dá tudo errado na sua vida a ponto de você nem querer escrever o que aconteceu, esse emoji diz tudo.

Rosa murcha

Para terminar um relacionamento, afinal, isso não precisa ser feito pessoalmente.

Carinha enjoada

“Se foi embora da balada bêbado”, diz a revista, “esse é o melhor jeito de falar isso para seus amigos”.

Compartilhe:


Um mural pela diversidade das formas de amor no interior da Irlanda

Este mês, a Irlanda viveu um momento histórico: aprovou, por plebiscito, a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Em meio aos debates que antecederam a votação, o artista Joe Castlin criou um mural de um casal homoafetivo no muro lateral de um edifício de quatro andares, na rua George, em Dublin. Apesar da sensibilidade da obra, ela só aumentou a polêmica em torno do assunto.

O mural, de Dublin

O mural, de Dublin

Agora, Joe está de volta, ele pintou duas mulheres em uma cena romântica. O cenário é inusitado: o castelo medieval Caherkinmonwee, no condado de Galway, também na Irlanda. O artista costuma criar murais em amplos espaços públicos para garantir que sua mensagem chegue a todos, por isso chegou à área rural do país, onde vivem as pessoas de mente mais conservadora. “O plebiscito vai pegar em centros urbanos. O ritmo de vida é diferente, muito mais rápido, então as mudanças são aceitas mais facilmente. No interior, as coisas são mais tradicionais”, explicou.

O novo mural – assim como o anterior – é baseado em um retrato feito pelo fotógrafo Sean Jackson e a atmosfera é novamente de tranquilidade, conforto e carinho. “Pintar é mostrar suas crenças, algo que fale à sua alma. E esse plebiscito mudou vidas. É muito importante e por isso eu faço”.

O mural no castelo medieval Caherkinmonwee

O mural no castelo medieval Caherkinmonwee

O mural no castelo medieval Caherkinmonwee

 

Compartilhe:


O que os espíritos sabem sobre o mundo da moda? Ou a nova versão do jogo do copo

Sabe aquela brincadeira de infância (ou nem tanto), em que você coloca sobre a mesa um papel com letras ou respostas prontas e segura um lápis – ou um copo – solto na mão para que “os espíritos” respondam algumas perguntas? Conhecido como “tabuleiro ouija” o joguinho tem dado o que falar nas redes sociais.

É que um perfil engraçadinho, no Twitter, chamado Charlie Charlie Challenge diz que está convocando um “demônio mexicano” para fazer suas questões. E aí que a revista vanguardista Dazed & Confused resolveu brincar e fazer perguntas pertinentes ao universo fashion.

E foi quando a modelo Cara Delevingne e o diretor criativo da Chanel, Karl Lagerfeld, entraram na dança. Veja abaixo o que o tal “demônio maexicano” teria respondido:

Karl Lagerfeld

Karl Lagerfeld

Karl Lagerfeld

 

Compartilhe:


Uma experiência marcante com as cores de Yayoi Kusama em Nova York

Yayoi Kusama 10

Personagem de extrema importância no mundo das artes, a artista e designer japonesa Yayoi Kusama é considerada a precursora do minimalismo e do movimento feminino nas artes. Mas, principalmente, é conhecida pelas bolinhas que ilustram grande parte de suas obras e que começou a pintar aos 10 anos de idade, quando tinha alucinações decorrentes de uma depressão e que, veja só, a levaram a se tornar ícone da pop art.

Yayoi Kusama 1

Um de seus trabalhos mais impressionantes é o “Obliteration Room”, um quarto branco mobiliado também de branco, salpicado de seus pontinhos coloridos, que está em construção desde 2002 e agora aparece na exposição “Give me Love” que está em cartaz em Nova York, na galeria David Zwirner. O cenário é uma instalação que lembra uma casa suburbana pré-construída americana, e o visitante é convidado a interagir no espaço com giz de cera colorido, que vai se transformando até que não sobre um espaço vazio.

Yayoi Kusama 2

O quarto é parte de uma linha de trabalhos tridimensionais e de telas que compõem a mostra e exploram as questões do tempo e do espaço, trazendo relações entre as obras de Kusama produzidas nas últimas seis décadas.

Yayoi Kusama 3

Yayoi Kusama 4

Yayoi Kusama 5

Yayoi Kusama 6

Yayoi Kusama 7

Yayoi Kusama 8

Yayoi Kusama 9

Serviço:

Exposição  “Give me Love”, de Yayoi Kusama na galeria David Zwirner

Local: 519 & 525 West 19th Street

Data: Até 13 de junho de 2015

Horário: de terça a sábado, das 10h às 18h

davidzwirner.com

Compartilhe:


Evento de arte itinerante, o 21º Walking Gallery acontece no próximo sábado

Se já é bacana assistir ao movimento, cada vez mais intenso, dos cidadãos ocupando o espaço público, observar isso acontecer rodeado de arte é ainda mais interessante. E no sábado, dia 23 de maio, acontece a 21ª edição da Walking Gallery, um movimento global que vai fazer uma intervenção artística em São Paulo.

Walking 1

“O conceito de galeria de arte itinerante é algo novo no Brasil, onde os espaços privados são mais frequentados do que os públicos. Muitos custam a entender o nosso propósito. Na verdade estamos levando arte para quem nem sempre a procura, para lugares inusitados, numa tentativa de acordar e alegrar a cidade”, explica a responsável do Walking Gallery Brasil , Ana Rosa Colhado.

Walking 2

Como resultado, ainda existe uma conscientização de que a sociedade deve atuar na melhoria da qualidade de vida das cidades e uma interação entre o público e os artistas. “O Walking Gallery diminui a distância entre as artes visuais e o público, além de resolver a questão da ‘falta de tempo’ dos cidadãos para apreciar e conhecer mais artes”, opina o artista Saulo Mota, frequentador assíduo do movimento em São Paulo.

Walking Gallery São Paulo, ana rosa colhado, arte

Idealizado há seis anos pelo arquiteto e artista catalão José Puig, este movimento cultural iniciou sua marcha artística pelas ruas de Barcelona para logo depois ocupar outras cidades espanholas, como Vigo, Bilbao, Madrid, Zaragoza e San Sebastian. Há dois anos, começou a buscar espaços fora da península ibérica: em Buenos Aires, Ilha da Madeira, Londres, Milão e as brasileiras, São Paulo, Porto Alegre, Caxias do Sul, Rio de Janeiro, Goiânia e Salvador.

Walking Gallery São Paulo, ana rosa colhado, arte

No Brasil, o Walking Gallery realizou sua primeira edição em maio de 2012, com participação de cerca de 20 artistas e alguns entusiastas de arte e urbanismo, que levaram seus quadros para passear e chamaram a atenção de todos que estavam na rua.

Serviço:

21ª Walking Gallery São Paulo 

Local: o ponto de encontro é na parte externa da saída da estação de metrô Consolação e o grupo segue pela Avenida Paulista

Data: 23 de maio de 2015

Horário: entre as 14h e 18h

Tamanho mínimo sugerido para a obra 60 X 80cm

Compartilhe: