Da idade do bronze

Imagem panorâmica da instalação

A belíssima série de móveis “Bronze Age” foi criada pelo designer holandês Frank Tjepkema, do estúdio Tjep, para o festival de design tcheco Designblok. “Estas peças foram uma reação à digitalização e à virtualização frenéticas que todas as nossas necessidades básicas estão sofrendo. Quis produzir algo contrário a esta tendência”, explicou o designer.

Bronze 2

Preocupado com as mudanças climáticas e catástrofes nucleares, Frank Tjepkema produziu algo surpreendente. Além de serem móveis-esculturas duráveis, são ainda sustentáveis pelo viés da reciclagem: você pode derreter a matéria-prima e reusá-la quantas vezes quiser. “Gosto da ideia de o bronze ser precioso e, por isso, nunca descartável. Até porque estas peças são também de bronze reaproveitado”, contou.

Bronze 4

Ambientadas no cenário escolhido pelo Designblok, elas ficaram ainda mais impressionantes: trata-se de um salão de bailes histórico, dentro do Palácio Colloredo-Mansfeld. A estética clean do mobiliário conjuga linhas minimalistas e traços fortes. Gotas de bronze fundido se solidificaram e formaram os pés de cadeiras e chaise-longues. Um trabalho que começou em 2012, quando o designer decidiu cobrir uma cadeira de bronze e ficou maravilhado com o resultado: “a cadeira ficou tão fina que parecia um esqueleto, como se não fosse aguentar o peso de quem se sentasse sobre ela, mas era muito forte graças ao bronze”. Foi o ponto de partida para “Bronze Age” e suas peças artesanais, de resultado único.

Confira no vídeo aqui os bastidores do feitio das peças.

Bronze 5

Bronze 6

Bronze 7

Bronze 8

Bronze 9

Bronze 10

Bronze 11

Compartilhe:


Representante brasileira na Bienal de Design de Madri

Um jardim retrô futurista foi o tema da bucólica coleção verão 2014 da estilista brasileira Fernanda Yamamoto. Flores e cores e um nítido trabalho artesanal compõem a linha, feminina e criativa.

Graças a ela, Fernanda foi selecionada como uma das representantes do design da moda brasileira para a próxima Bienal Ibero-Americana de Design, que acontece em Madri, na Espanha, entre os dias 25 e 29 de novembro de 2014. A quarta edição do evento contará com uma exposição principal, palestras, mesas redondas e encontros.

Fernanda Yamamoto

O trabalho de Fernanda foi indicado pelos membros do Comitê Assessor da BID no Brasil, Giovanni Vannucci e Ruth Klotzel, e selecionado após a avaliação de um júri internacional. A Bienal Ibero-americana de Design vem se destacando por reunir projetos expressivos do design da Ibero-América, seja ele gráfico, de produto, moda, ambiente ou web design.

Fernanda Yamamoto

Na mesma categoria da estilista foram escolhidos mais quatro projetos brasileiros: “Velaturas” (da Performa), “Melissa One by One” (da Grendene), “Árvores Tecidas” (de Renato Imbroisi) e “O Cantar dos Cantares” (de Mary Figueiredo).

Fernanda Yamamoto

Fernanda Yamamoto

Fernanda Yamamoto

Fernanda Yamamoto

Compartilhe:


NDesign 2015: prepare-se

N Design

Um dos maiores e mais importantes evento de design do país e da América Latina, o NDesign já está preparando sua 25ª edição. Em 2015, o Encontro Nacional dos Estudantes de Design acontecerá na cidade de São Paulo, com apoio do portal Living Design. O projeto será lançado nesta sexta-feira, dia 17 de outubro, das 9h30 às 10h30 na Universidade Mackenzie, na capital paulista.

Organizado por uma comissão de estudantes e colaboradores voluntários, o N SP 2015 deve receber em torno de 2000 pessoas durante seus sete dias, e repetir o sucesso da edição deste ano, que aconteceu em julho, em Goiânia, e trouxe mais de 70 convidados de diversos países.

Serviço:

Lançamento do projeto NDesign SP 2015

Local: Universidade Mackenzie – Rua da Consolação, 930, São Paulo

Data: 17 de outubro de 2014

Horário: Das 9h30 às 10h30

Para confirmar participação: escreva para o e-mail contato@nsp2015.com.br, usando o título “Lançamento do Projeto – interesse”

Compartilhe:


Será a morte da criatividade na moda italiana?

A Milan Fashion Week terminou recentemente e a opinião geral da mídia internacional reforça a ideia de uma estagnação, que atingiu a idade da velhice. Será mesmo?

Armani comemorou seu aniversário de 80 anos em julho. Compare isso com a safra de novatos em Londres ou Nova York, ou a novos talentos em Paris, e a idade se torna um problema. Onde está o sangue novo? Onde estão as novas ideias? Novidade é o que move este setor, é isso o que os fashionistas compram.

Este è meu breve resumo do que ficou após a leitura de alguns artigos polêmicos, como o do site “BOF” e ainda do jornal “The Independent”, que acusaram que o setor da moda italiana está ficando obsoleto, o que causaria então sua morte natural. Este é um risco que ela corre, se não investir na transmissão de talentos, o que é extremamente necessário. Estas críticas têm um pequeno fundo de verdade: não esqueçamos que estamos ainda em crise por aqui e isso influencia e muito a criatividade! Mas esta teoria não é 100% verdadeira. O que vi pelos desfiles e estradas foi um pouco diferente.

Coleção de Moschino

Coleção de Moschino

Vejamos os exemplos de Stella Jean, Giamba de Giambattista Valli e tantos outros. No meu ponto de vista, as maisons italianas evidenciaram uma grande criatividade da parte de todos os estilistas presentes. Contida, mas nem por isso menos criativa. Nas coleções femininas Primavera/Verão 2015, pela primeira vez, não pudemos verificar uma única e homogênea tendência, mas sim, uma espécie de mulher mais orientada a um patchwork de estilos e moods, partindo de um ponto de vista pessoal.

Não vimos apenas um outfit-símbolo para a mulher, como já foram os trenchcoats, os blazers ou as saias floridas, mas sim listras com triângulos, saias curtas e saias longas e as combinações de cores que adoramos como o branco com violeta, o ouro, o azul (grande cor da próxima estação como vemos nas peças de Armani) e, claro, as peças de chiffon, aplicados ou bordados em estupendas transparências e jogos de sedução.

Coleção de Armani

Coleção de Armani

Coleção de Armani

Coleção de Armani

A mulher italiana desta estação é luminosa e solar (como foi a coleção de Simonetta Ravizza). Neste contexto, as paillettes e os cristais Swarovski são parte integrante das criações, os tecidos são leves e sedosos, os cortes são estudados para seguirem a silhueta do corpo, revelando a feminilidade que há um bom tempo está escondida sob formas oversized. A liberdade de movimento é tudo!

Simonetta Ravizza

Simonetta Ravizza

Também notei uma grande modernidade que traduz o romantismo ao campo das ideias, como os bordados (o grande destaque da Dolce & Gabbana) bebendo nas fontes dos anos 60 e 70, com suas transparências chic, geometrias variáveis e flores em profusão. As calças parecem saias, em uma experimentação que não foge do tradicional prêt-à-porter.

Coleção de  Dolce & Gabbana

Coleção de Dolce & Gabbana

Coleção de  Dolce & Gabbana

Coleção de Dolce & Gabbana

Talvez esta “normalidade” de uma moda que busca a simplicidade, sem nenhuma tendência gritante ou elementos chocantes seja então o que muitos críticos denominaram a morte da criatividade italiana na moda, ou seu envelhecimento.

Pode ser, mas, honestamente, acho que prefiro esta moda mais “humana” e simples àquela que é quase inatingível e que vemos geralmente nas passarelas. Quem sabe esta seja a nova tendência, não é mesmo?

Compartilhe:


Som com design

Devialet 1

Aparelhos de som com valores que começam na casa dos R$ 28.000 reais. E nem é só pelo belo design minimalista. É pela qualidade do áudio mesmo. Este é o conceito da grife francesa Devialet, fundada em 2007 por quatro amigos: Pierre-Emmanuel Calmel, Emmanuel Nardin, Quentin Sannié e Manuel de la Fuente. Com apenas sete anos de história, eles já ganharam mais de 30 prêmios internacionais e está presente em 220 pontos de venda. Mas qual é o segredo do seu sucesso?

Devialet 2

Uma performance inédita, atingida graças à tecnologia exclusiva ADH® (analógico e digital híbrido), que associa a potência digital à fidelidade analógica. O aparelho de som também toca arquivos digitais em alta definição, reproduz a playlist do seu smartphone, iPad e integra diferentes fontes, como toca-disco, CD player e mídia center. Ele ainda pode ser integrado a um sistema de automação e seus amplificadores são supercompactos. E mais: a Devialet contorna a questão da obsolescência tecnológica com uma solução simples: regularmente ela disponibiliza atualizações gratuitas do software que, em poucos segundos, trazem novas performances e novas funcionalidades aos aparelhos. Ah, sim, e a gente já falou que eles são lindos?

Serviço:

Devialet

Local: Avenida Moema, 170, cj. 101 – São Paulo

Fone: 11 5051-4049.

devialet.com

 

 

Compartilhe: